Terceira edição do AFROPUNK Festival Paris enaltece a beleza e a cultura negra

Terceira edição do AFROPUNK Festival Paris enaltece a beleza e a cultura negra

Quando a Macy Gray entrou no palco e cantou seus novos e antigos sucessos já passavam das 11 da noite e o público que havia chegado cedo para o primeiro dia de apresentações ainda guardava energia para a grande atração do evento. Brilhante num vestido de lantejoulas com as cores da Jamaica, vermelho, verde e amarelo, a esperada Macy Gray levantou o público em todo o show, mas emocionou quando cantou de Bob Marley a música Everything is gonna be alright.

Cantar uma canção que diz que tudo vai ficar bem num encontro de homens e mulheres negros que estão diariamente expostos a conflitos raciais desgastantes é quase como acalentar um coração negro em busca de proteção. O AFROPUNK Festival tem este significado de união e abraço negro e Macy Gray promoveu esta união através da sua voz.

Laura Mvula no AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

AFROPUNK Fest é assim, os signos e significados relacionados com a cultura negra estão nas roupas, nos cabelos, nos músicos, no slogam do festival, nas frases ditas pelos artistas entre uma música e outra. Reverenciar a cultura negra e mostrar para o público negro que ele pode ser o que ele quiser desde que ele acredite em si mesmo foi a mensagem deixada no primeiro dia de festival em Paris.

Homens e mulheres desfilam seus turbantes e seus cabelos crespos como coroas. Tecidos, roupas e pinturas corporais inspirados na África adornando corpos negros de diferentes tons. Em cada rosto um sorriso de orgulho, nos olhos um sentimento de felicidade e no coração um prazer em poder dizer eu sou negro e tenho orgulho disso. Nas rodas de conversa diferentes idiomas. As pessoas vieram de Amsterdan, Alemanha, Irlanda, do interior de Paris e de outros países do mundo só para acompanhar um dos maiores eventos de arte e cultura negra que a cidade de Paris já promoveu.

Blitz The Ambassador no AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

A terceira edição parisiense do AFROPUNK Festival está agitando a cidade desde de quinta, 13/07.  No primeiro e no segundo dia aconteceram encontros artísticos e workshops pela cidade e sábado foi o primeiro dia de apresentações musicais. Quem esteve no La Villette assistiu a shows de jazz, punk rock, blues, soul e r&b. Artistas europeus como o Belga Petite Noir, africanos como o congolês Baloji ou o músico Songhoy Blues do Mali e a estadunidense Macy Gray fechou o primeiro dia de apresentações.

Hoje aconteceu o último dia do festival em Paris, as apresentações entregaram grandes emoções. Dentre os artistas mais esperados da noite estiveram Robert Glasper, que já levou um Grammy de melhor álbum de r&b em 2012 e o rapper Mos Def, que dispensa apresentações.

Dia 1 do AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

Dia 1 do AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

Dia 1 do AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

Dia 1 do AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

Dia 1 do AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

Dia 1 do AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

Dia 1 do AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

Dia 1 do AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

Dia 1 do AFROPUNK Paris 2017. Foto: Cristiane Guterres

Previous AFROPUNK Festival – celebrando a cultura negra
Next AFROPUNK Festival: Paris se despede do evento mais black da França

About author

Cristiane Guterres
Cristiane Guterres 4 posts

Cristiane Guterres é jornalista e correspondente do Afroguerrilha no AFROPUNK Festival 2017.

View all posts by this author →

You might also like

Cultura 2 Comments

Onde estão os designers negros no Brasil?

Mesmo que tardiamente, as diversas áreas do design tem ganhado cada vez mais atenção no Brasil. Não só sobre a economia, cultura e comportamento, mas sobre a vida como um

Hip hop 1Comments

4 lugares para treinar e aprender a dançar breaking em São Paulo

Para quem não conhece, o Breaking, B-boying ou B-girling (vulgarmente chamado na mídia de massa como “break dance”) é um estilo de dança parte da cultura Hip Hop nascida nos anos

Beleza 0 Comments

AFROPUNK Festival – celebrando a cultura negra

Quando James Spooner, no final dos anos 90, procurava por jovens negros que assim como ele gostassem de punk rock, um estilo musical predominantemente branco, provavelmente não imaginava que estava

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!

Leave a Reply