Emmett Till (à esquerda) e Wheeler Parker (à direita, ao fundo) - 1950. Foto: cortesia de Wheeler Parker Jr ao Jackson Free Press. Mulher que acusou Emmet Till de assedia-la diz que mentiu, 62 anos após o assassinato do jovem negro.

Mulher que acusou Emmet Till de assedia-la diz que mentiu, 62 anos após o assassinato do jovem negro.

O assassinato do adolescente negro Emmet Till ganha um novo capítulo, 62 anos depois de ele ter sido linchado até a morte. A mulher que fez a acusação que teria justificado sua morte confessou, depois de 6 décadas, que foi tudo uma mentira. O adolescente, que na época tinha apenas 14 anos, entrou em uma loja para comprar chiclete, quando visitava uma região branca do Estado do Mississippi, e foi sequestrado, espancado, baleado e desfigurado por 2 homens brancos a ponto de seu rosto ficar completamente irreconhecível.

Para justificar o linchamento, Carolyn Bryant, esposa de um dos assassinos, acusou o jovem de te-la assediado, o que, para a corte que julgou o caso, justificava o linchamento. Segundo o testemunho que ela deu no tribunal na época, o jovem Emmet Till teria a agarrado e a agredido verbalmente. Roy Bryant, esposo dela, e seu irmão, os assassinos, foram absolvidos pelo júri branco.

Roy Bryant, que assassinou brutalmente Emmett Till, de 14 anos, é retratado com sua esposa Carolyn, à direita, que acusou Till de assedia-la no Mississippi em 1955.

Na época, o adolescente negro foi classificado por grupos feministas e supremacistas brancos como “um estuprador em potencial”. Mamie Till-Mobley, mãe de Emmet, decidiu divulgar para o mundo a foto que mostrava o rosto de seu filho completamente desfigurado, para mostrar o horror causado pela supremacia branca, e iniciou uma cruzada pelos direitos civis nos EUA.

62 anos depois, Carolyn Bryant confessa que mentiu. Nesta semana, uma matéria da revista Vanity Fair sobre o livro The Blood of Emmet Till (O Sangue de Emmet Till), conta que Caloryn revelou, em uma entrevista em 2007, que mentiu sobre o caso. Quando Timothy Tyson, autor do livro que será lançado nessa semana, a perguntou sobre as acusações, ela simplesmente respondeu: “aquela parte não é verdade”. Sobre o restante, ela afirmou não se lembrar. Ela disse lamentar muito pelo que aconteceu com o jovem negro e que “sentia uma terrível tristeza por Mamie Till-Mobley” – a mãe de Emmett Till, que morreu em 2003 depois de uma vida inteira dedicada à luta pelos direitos civis.

Emmett Till e sua mãe, Mamie Till-Mobley, que se tornou uma grande ativista pelos direitos civis do povo negro nos EUA.

O caso de Emmet Till foi apenas um de inúmeros linchamentos de pessoas negras nos EUA e foi um dos estopins para o início do Moviemento Pelos Direitos Civis do povo negro nos EUA.

Previous Professor e rapper Thiago Elniño faz uma crítica ao sistema de educação sob a perspectiva racial.
Next Ouça “A Rotina do Pombo”, novo álbum do rapper Thiago Elniño.

About author

Robin Batista
Robin Batista 22 posts

Robin Batista é designer, editor do Afroguerrilha e colaborador da AFROPUNK.

View all posts by this author →

You might also like

África - Diáspora 0 Comments

Plataforma Diaspora.Black propõe hospedagem focada em cultura negra por diferentes países

Lançada em dezembro, em São Paulo, a Diaspora.Black é uma plataforma digital que conecta anfitriões e viajantes para oferecer serviços de hospedagem e experiências afrocentradas em diferentes cidades da diáspora africana.

Beleza 0 Comments

AFROPUNK Festival – celebrando a cultura negra

Quando James Spooner, no final dos anos 90, procurava por jovens negros que assim como ele gostassem de punk rock, um estilo musical predominantemente branco, provavelmente não imaginava que estava

Cultura 0 Comments

Terceira edição do AFROPUNK Festival Paris enaltece a beleza e a cultura negra

Quando a Macy Gray entrou no palco e cantou seus novos e antigos sucessos já passavam das 11 da noite e o público que havia chegado cedo para o primeiro

13 Comments

  1. ju
    janeiro 29, 14:17 Reply

    Entre essas e outras que odeio quando algumas feministas falam que qualquer homem é estuprador em potencial. Sou feminista e lutos pela igualdade de direitos, mas bom senso é bom né.

    • Dianahoros
      janeiro 31, 09:33 Reply

      Quando se diz que todo homem é um estuprador em potencial, isso se refere ao fato de sermos criados dentro de uma cultura machista onde o estupro é, de certa forma, aceito. Este caso nada tem com a cultura do estupro e sim com racismo. Ele não foi morto por ter sido acusado de estupro, foi morto por ser negro.

      • Matthäus
        janeiro 31, 16:56 Reply

        Se você for ver, o seu argumento justifica o assassinato do garoto.
        Ele foi criado numa cultura machista, nada mais justo do que dizer que ele é um “estuprador em potencial” e justificar sua morte.
        Feminismo e racismo SEMPRE andaram lado a lado.
        obs: procurar por Margareth Sanger.

    • Henrique
      janeiro 31, 10:23 Reply

      Uma coisa é igualdade de direitos e outra é vitimização por seu próprio ego.

  2. Juliano Fibiger
    janeiro 30, 14:33 Reply

    Eis que nessa matéria temos uma prova de que o feminismo branco é nocivo:

    […] Na época, o adolescente negro foi classificado por grupos feministas e supremacistas brancos como “um estuprador em potencial” […]

  3. Victor
    janeiro 31, 06:31 Reply

    Por favor né Juliano “feminismo branco é nocivo”?. O caso foi um caso típico de racismo. Faz uma busca no Google ai procura qts pessoas morreram por causa de feminismo anualmente e depois faz a mesma pesquisa pra ver qts mulheres morrem de machismo a cada minuto!

  4. A
    janeiro 31, 12:00 Reply

    Juliano Fibiger, qual a origem do seu nome? Estamos falando de algo que ocorreu na década de 1950. Refiro-me à atitude das mulheres brancas e não ao crime bárbaro. Pense que se pegássemos alguma matéria da época da Segunda Guerra Mundial e o depoimento de algum alemão nazista, poderíamos HOJE dizer que aquela seria a PROVA de que os alemães SÃO racistas, nazistas e assassinos? E que HOJE essa seria a prova definitiva?

  5. Jtsoul
    janeiro 31, 12:28 Reply

    Arrependimento é o mesmo que é pregado nas igrejas você faz sabendo está errado e recebe o perdão por um erro pensado. Tire vocês suas conclusões

  6. Raquel
    janeiro 31, 17:13 Reply

    Nossa…estou ficando velha e nunca deixo de ficar inpactada com tanto racismo, injustica e violência. Estou tendendo a me isolar cada vez mais. Um garoto morreu por uma mentira de uma mulher infame e vil.

  7. Guerino
    fevereiro 01, 13:52 Reply

    Independente de ser ou não um estuprador em potencial, quem vai pagar pela vida de um inocente? Ainda hoje muitos são sentenciados a morte pela justiça americana. E se for inocente ?
    Só Deus para fazer tal justiça.

  8. Lisnei
    fevereiro 01, 15:33 Reply

    Este arrependimento tardío vai trazer o rapaz de volta a vida?

Leave a Reply