Do Vidigal para o mundo: as meninas super poderosas do Pearls Negras

Do Vidigal para o mundo: as meninas super poderosas do Pearls Negras

“Deus escolheu isso pra mim, é isso que eu vou seguir. Eu vou cantar meu rap do Rio até Berlim!”. É com esses versos rimados das Pearls Negras que vamos abrir Março na coluna “E Por Falar em Música”, especial do mês das mulheres!

E finalmente vamos falar delas, as Pearls Negras ou como são chamadas por aqui, “Pérolas Negras” (os dois nomes estão certos), fica a seu critério  chama-las do jeito que quiser, pois o som vem do mesmo trio dessas meninas “super-poderosas” direto do morro do Vidigal. Elas não completaram vinte anos de idade ainda, mas seu som já viajam o mundo todo, tendo críticas bem vindas das principais revistas e blogs especializados como I-d Vice, The Beatjuice, além do jornal The Guardian.

Alice, Jennifer e Mariana sempre foram influenciadas tanto pelo universo cultural que existe na comunidade do Vidigal como pelos próprios rappers e mc’s. Elas não escondem que são fãs de artistas como Racionais, Karol Conká, Flora Matos e também da gringada, como Ciara, Drake, Santigold, Nicki Minaj e as meninas do saudoso grupo Destiny’s Child (Beyoncé, Kelly Rowland e Michelle Williams).

As Pearls Negras não se imaginavam estourando no cenário mundial do hip hop e nem mesmo cantando rap. Mas sempre souberam que tinham talento, que foi se descobrindo e aumentando em tom de brincadeira no meio das aulas de teatro no projeto Nós do Morro, uma iniciativa importante para a comunidade que visa expandir o acesso cultural para crianças, jovens e adultos do morro do Vidigal.

As meninas foram descobertas por Jaqueline Ferreira (Jackie Brown) quando ainda tinha apenas 13 anos, época em que elas faziam as oficinas do projeto. Agora como produtora, amiga, companheira de viagem e “mãe” das meninas de certa forma, Jackie Brown fortaleceu a conexão com os produtores e criadores do selo britânico Bolabo Records, Jan Blumentrath, que ficou encantado depois de ver um show delas e quis, em seguida, produzir algo com as composições do grupo, e o amigo David Alexander, que também produziu a primeira mixtape das Pérolas, intitulado “Biggie Apple”, fazendo assim a agenda das meninas lotarem com apresentações importantes pelo Brasil (como na recente e segunda edição do MECA Festival, onde dividiram palco com ninguém menos que La Roux e Aluna George) e fechando a primeira turnê Europeia, que aconteceu em agosto do ano passado, tendo passado por cidades de França, Portugal e Reino Unido. Nesse ano, elas já estão trabalhando firme no estúdio, serão aguardadas músicas novas e mais uma turnê prevista pelos Estados Unidos até Junho.

Essas meninas vão longe e merecem todo o sucesso representando o rap nacional!

Vale a pena conferir esse vídeo genial e retrô da bem boa “Make It Last” :


Por Roger Lima | Fotos por Rafael Rocha / NOIZE

Next Muito carão e amor no novo clipe lindão de Rico Dalasam

About author

You might also like

Cultura 0 Comments

A importância de valorizar a beleza negra para enfrentar o racismo

Ainda que de maneira muito reduzida, pessoas negras tem ganhado algum espaço nas mídias impressas, televisiva e digitais e tentado com muito esforço apresentar uma outra imagem do que é

Música 0 Comments

Emicida: “o rap me ensinou a ter consciência racial”

“Quando você chama a pessoa de macaco, você está jogando toda a humanidade dela no lixo […] É extremamente difícil, é humilhante, ter que abrir um B.O. porque uma pessoa

África - Diáspora 0 Comments

Esta fotógrafa registrou o auge da cena dancehall jamaicana nos anos 1980

Entre o fim da década de 1970 e o início dos anos 1980, o reggae roots que fez o mundo conhecer a Jamaica deu espaço ao dancehall, mais animado e

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!

Leave a Reply